1
logomarca cybercook

Tokyo Cosmo

Já Fiz

Enviar fotos

Atenção: Imagens retiradas da internet possuem direitos autorais e estarão sujeitas a remoção caso seja comprovada a devida autoria. Dúvidas? Consulte nossos termos de uso.

Ingredientes (4)



Como Fazer

  1. 1.
    Modo de fazer:
  2. 2.
    Agite tudo em uma coqueteleira e sirva em uma taça de martini com um twist de limão.
  3. 3.
    Sucesso "galantido"!
Quem é o colunista: Marcelo Katsuki, o terror do self-service. O que faz: come demais. Editor de arte e fotografia da Folha Online nos dias úteis. Pecado gastronômico: chocolate e uísque. Melhor lugar de São Paulo: As poltronas da ponta do bar do Terraço Itália num fim de tarde ensolarado. Com um bom uísque na mão, claro. Fale com ele: mkatsuki@uol.com.br ou acesse o blog Comes & Bebes.

Já Fiz

Vídeo recomendado

Brownie Recheado de Butter Toffees Chocolate Amargo

Você pode gostar...

Arroz de Forno

Arroz de Forno

Por Valéria S

Sex on the Beach

Sex on the Beach

Por Alice Cecilia

Bolo de Microondas Simples

Bolo de Microondas Simples

Por Miriam Oliveira

Bolo de Aipim

Bolo de Aipim

Por Erika Vasconcellos

Comentários (2)

HAROLDO TEODORO

É UMA DAS BEBIDA MAIS INTERESSANTES.

gracia teodoro

O saquê é um dos três alimentos mais adorados pelos japoneses (os outros dois são o chá e o moti, um bolinho de arroz) e sua história começa no período Yayoi no Japão (300 a.C. a 300 d.C.). Naquele tempo, o arroz era fermentado pela saliva feminina, sendo cuspida pelas jovens virgens em tachos, e a bebida ainda não se chamava saquê, mas Ki. No início, a bebida era reservada aos nobres e às classes altas da sociedade, pois sua produção era escassa. Há um provérbio xintoísta que diz que os deuses adoram beber saquê. E nas festividades, era comum beber até quase cair, já que se acreditava que o espírito elevado pela bebida podia entrar em contato com os deuses. Bom motivo pra um porre, hehe! A "festa" durou até o século VI, quando a disseminação do Budismo pelo país proibiu o saquê nas festividades e os monges passaram a tomar apenas chá. Dessa forma, criou-se uma relação da bebida bem interessante: Saquê > Salgado >Xintoísmo >Não coticiano >Masculino Chá >Doce >Budismo >Cotidiano >Feminino. Ou seja, quem come doce geralmente não toma saquê. O que talvez explique porque os grandes experts da bebida não gostem de doces. Outra curiosidade que aprendi é que quando comemos sushi não devemos tomar saquê e sim chá, pois os dois alimentos são provenientes do arroz, o que cria uma relação de oposição. O saquê só deve ser apreciado com sashimi (peixe cru), e lá se vão anos comendo sushi com saquê, né? Há três importantes regras de etiqueta para o consumo de saquê em restaurantes japoneses: • É de bom tom uma pessoa servir a outra, antes de colocar a bebida no próprio copo. • O saquê servido em cálices de cerâmica deve ser segurado pela mão direita e apoiado na mão esquerda. • Não se deve inclinar para beber o saquê: a bebida deve ser sempre levada à boca. No Japão, não é considerado falta de educação ficar bêbado em bares de petiscos, os izakayas, locais onde os trabalhadores se reúnem para beber após o expediente. Já nos restaurantes tradicionais, a embriaguez deve ser evitada. Minha primeira bebedeira com saquê foi no lugar mais inusitado possível: no Epcot Center. No pavilhão japonês do World Showcase me deliciei com meus primeiros sushis de camarão empanado (uma novidade na época) e um drinque chamado Samurai que descia tão bem que quando me dei conta, já havia tomado boa parte do meu orçamento do dia com a bebida. Percorri o resto do trajeto levinho, levinho, até chegar a Paris com sua torre Eiffel em miniatura, onde rebati a ressaca com um bom vinho francês. Uh-la-lá... De volta ao Brasil, não consegui a receita original, mas acabei achando um drinque bem parecido que foi a sensação em uma festinha lá em casa. O nome? Tokyo Cosmo, puro estilo!

Bebidas Abacaxi Saquê Receitas com Suco de Fruta

Tokyo Cosmo